Lázaro Ramos revela vontade de entrar na política

0
Lázaro Ramos - Divulgação
Lázaro Ramos – Divulgação

O ator Lázaro Ramos é sempre muito politizado nas entrevistas que dá e em suas redes sociais. Isso faz com que os fãs que o admira despertar uma vontade que ele entre para este meio.

+ Lázaro Ramos abre o jogo sobre crise no casamento com Taís Araújo na quarentena

Deste modo, seria muito melhor para os fãs que se identificam com o pensamento de Lázaro Ramos, uma vez que teriam a quem votar e que os representassem. Pois bem, será que ele entraria?

O ator da TV Globo abriu o coração para falar sobre o assunto. Ao canal do advogado e filósofo Silvio Almeida no YouTube, o artista comentou que tem vontade de entrar no meio político, mas acha que não teria saúde mental:

+  Lázaro Ramos fala sobre casamento durante quarentena: “Tem hora que só tem que calar a boca”

“Eu fiquei, em algum momento, com essa ilusão de que daria pra eu enfrentar esse lugar aí. Mas não sei se tenho capacidade emocional pra enfrentar o que é a política no Brasil hoje. É uma luta inglória, muito injusta, que tem as fake news, que tem a destruição de reputações e que tem as grandes máquinas financeiras que estruturam a nossa política brasileira hoje em dia. Se a pessoa não tiver saúde e muita fibra, ela não consegue enfrentar”, disse.

O ator comentou que já teria as portas abertas por conta de sua arte: “A arte, com certeza, abre portas. A arte tem a possibilidade de transformar, mas nem sempre ela será suficiente. O meu desejo era ter coragem de entrar pra política partidária, o meu desejo era ter coragem de me candidatar a alguma coisa. Às vezes o brado da arte não é suficiente para provocar as transformações. Claro que sensibiliza, claro que provoca, mas hoje eu convivo com uma falta achando que eu poderia fazer mais”.

+ Lázaro Ramos anuncia morte e chora perda: “Tristeza cala fundo”

Lázaro Ramos também comentou as consequências que uma má gestão pode trazer aos brasileiros: “Eu não sei quando a gente consegue reverter isso, isso para mim é uma incógnita, não sei se isso se resolve em 5 ou 10 anos. Eu acho também [que a gente perdeu uma geração]. Eu concordo, a sensação que eu tenho é essa. Bons contadores de história a gente tem, mas como a gente vai viabilizar isso é que a gente precisa ver”.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.